O que a Marie Kondo me ensinou (e o que deveria ter ensinado)

abril 05, 2016
 Marie Kondo

O método KonMari, se tornou quase um viral nos últimos tempos. Marie Kondo, criou seu método de manter o espaço organizado sempre e promete que se você seguir todos os passos também vai ter um ambiente sem bagunça para o resto da vida. No seu livro, A Mágica da Arrumação, ela explica detalhadamente todo o processo para ter essa mudança de vida.

É interessante ver o ponto de vista da Marie Kondo sobre os objetos que possuímos e o livro, apesar de alguns ensinamentos extremos, me ensinou muitos pontos importantes não só sobre a arrumação da casa mas como devemos tratar e nos comportar com as coisas que temos. Os passos são bem simples e a ideia geral basicamente é de apenas manter o que te trás alegria. No começo, me perguntei como seriam feitos com os objetos de uso utilitário, que nem sempre são "bonitos". Depois notei que se eles são usados e facilitam minha vida, então sim, me trazem alegria por facilitar minhas tarefas.


O que as pessoas se confundem, é achar que ter um objeto lhe trará felicidade. Objetos não podem fazer isso, o máximo que eles te oferecem é uma alegria momentânea. Na nossa sociedade atual há uma troca de valores: As pessoas querem amar as coisas e possuir pessoas e é aí que mora o problema. Não importa quantos itens novos tenha, quão rico és, se não tem felicidade antes disso, as coisas não te trarão pois este não é o papel delas.
Só porque um item te trás alegria na loja, enquanto está na prateleira, não necessariamente ele irá trazer alegria em seu ambiente. Podemos sim admirar as coisas pela sua beleza, mas ter em mente sempre se aquilo irá ter o seu papel de uso no ambiente em que em que viverá, e assim chegamos a conclusão que precisamos de muito menos do que imaginávamos.


Apesar do livro ter muitos ensinamentos essenciais, há uma parte que me incomoda bastante: A despreocupação com o descarte das coisas. Imagine se as 2 milhões de pessoas que compraram seus livros, decidissem seguir o KonMari e assim, depois de um dia intenso de arrumação, decidirem tirar 15 sacos de lixos cheios da sua casa com coisas que não as trazia alegria.
É mencionado no livro a possibilidade de doar, mas não é visto como prioridade. A prioridade é tirar aquelas coisas da sua casa, não importa como. Sabe aonde essas coisas vão parar? Isso mesmo, muito provavelmente no aterro. Milhares de pessoas seguindo o seu método e fazendo a mesma coisa, não consigo nem pensar o quanto de dano isso traria ao meio ambiente. Descartar corretamente é essencial para continuar a vida útil do produto, seja reutilizando, reciclando ou doando.


A autora também menciona e desmerece as peças de roupa que estão ficando usadas: "Na maioria das vezes, quando um botão cai é sinal de que aquela roupa foi bastante usada e aproveitada, e agora é hora de dizer adeus". Um simples botão caído não é motivo para uma nova camisa. 

Entretanto, gostei muito da leitura e de ver o ponto de vista da Marie de verdade e não só pela internet, ainda não coloquei o método em prática mas pretendo fazer em breve. Depois posso falar como foi a experiência de seguir seu método e se foi realmente eficaz como é dito. :)

Mais sobre:


2 comentários on "O que a Marie Kondo me ensinou (e o que deveria ter ensinado)"
  1. Olá Isabel, adorei o post! Ainda não li o livro, mas já o tenho. Estou ansiosa por ler. Realmente não concordo com essa parte em que nos devemos livrar de tudo só porque sim! Se há coisa com que me preocupo é aquilo que acontece às coisas que estamos a dar/deitar fora. É preferível fazer esse tipo de arrumações quando sabemos previamente a quem dar :)
    Apenas uma pequena nota, trás é um advérbio de lugar e traz (que penso que era a palavra que querias utilizar) é a forma conjugada do verbo trazer. Espero que não leves a mal.
    Beijinho*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Creio que você vai gostar muito do livro, mesmo com esses poréns eu aprendi bastante com ele.
      O bom de decidir não ter mais algo é justamente saber que ele vai ser útil a alguém, como você citou.
      Sobre a correção, fico muito agradecida! Irei consertar. Infelizmente minha escrita não é muito boa, mas estou trabalhando nisso. 😊
      Beijo!

      Excluir

Colaboradores

Assinatura

Assinatura